09/03/2023 às 18:36 Além de um clique

A cor passa a andar de mãos dadas com o preto e branco no meu trabalho fotográfico

38
3min de leitura

Não há criatividade sem liberdade. Liberdade e criatividade andam lado a lado. E é nesse caminhar que me permito, experimento, ouso, invento, aceito e incluo os erros nas criações do meu fazer fotográfico. Por isso nesta novo momento e fase da carreira abraço esta liberdade para dizer que a cor passa a andar de mãos dadas com o preto e branco no meu trabalho fotográfico.

“As cores, como as características, seguem as mudanças das emoções.” Pablo Picasso

Entre as reflexões nesta busca, uma pergunta básica, mas primordial. O que me guia e faz meus olhos brilharem ao fazer fotografia? E aqui não estou falando necessariamente de tema – natureza, abstrato e questões da nossa cultura brasileira -, mas de conceito em si.

E assim ratifiquei – ou reencontrei esse propósito após um possível atropelamento por toda essa matriz doida do tempo e tecnologia que nos engolem se não despertarmos - e fascina na fotografia é me expressar por todas as infinitas possibilidades caminhando por vias como a artística, estética e visual. 

Esse é o estilo que me encontrei, e acredite, leva tempo (esse, como qualquer outro estilo que lhe identifique). E tudo bem, pois quando falamos em arte, o tempo é aliado. Por que falamos de épocas distintas, experiências, conceitos variados, estilos, propósitos, intenções e com isso um aumento constante de repertório e uma série de outras somatórias. 

Logo, um movimento constante que passa por um processo particular de cada um para reavaliar seu trabalho, seguindo com ele ou não; inserindo novidade ou não; criando variações ou não; mudando de rota ou não; Tudo depende e pode ser, assim é a arte.

E na fotografia essa é uma questão, de inserir uma visão artística, que existe desde sempre, e até hoje, vira e mexe ela volta a ser pauta. Como tudo que é novidade, ousar fazer diferente é ser “louco” e desde o começo já fadada ao insucesso. Afinal, como confrontar algo que foi criado para representar com fidelidade a “realidade”? 

Alfred Stielgitz (1864-1946) é um dos pioneiros, se não o principal nome, nesta “loucura”, e por isso é uma das minhas referências (risos). Ou seja, já nesse período Stieglitz entendia que a fotografia poderia ir muito além de recriar cenas e retratos, por exemplo, de maneira fiel, mas também como uma forma de expressão do fotógrafo, usando a imagem como conceito de ideias.

Nesta mesma linha de pensamento sobre fotografia e arte considero também outros dois grandes nomes na história da fotografia. Edward Weston (1886-1958) e Ansel Adams (1902-1984) como também os considero fotógrafos que abriram a porta para a fotografia de arte. Cada um com estilo e técnicas incríveis.

“A fotografia, como um poderoso meio de expressão e comunicação, oferece uma variedade infinita de percepção, interpretação e execução.” Ansel Adams

Adams comentava que era fundamental o fotógrafo o conhecimento técnico capaz de lhe fornecer as ferramentas necessárias para que então a magia aconteça, o que siginifica: a criação de imagens espetaculares a partir do seu olhar e do seu espírito, que fossem muito além da reprodução. 

“O acaso favorece a mente preparada” foi uma das expressões favoritas de Ansel Adams e um conceito que lhe permitiu alcançar com sucesso sua visão artística. O segredo para criar sua própria imagem expressiva, que comunica sua visão artística, não está nas ferramentas ou na tecnologia que você usa. É saber "ver" com intenção e ter as habilidades necessárias para capturar e interpretar o que você vê para torná-lo seu.” Ansel Adams

“Eu não vejo nenhum motivo para registrar o óbvio.” Edward Weston

“Agora, consultar as regras da composição antes de tirar uma foto é como consultar a lei da gravidade antes de dar um passeio. Tais regras e leis são deduzidas do fato consumado, mas são o produto da reflexão.” Edward Weston

"Através do olho fotográfico, você pode ver o mundo sob uma nova luz; um mundo quase inexplorado e desconhecido; um mundo que espera ser descoberto e revelado." Edward Weston

Ao falar de fotografia e arte é impossível separá-las de uma questão: sentimento. Na vida, as pessoas só oferecem aquilo podem ou possuem. Na fotografia não é diferente. O resultado da sua fotografia será aquilo que você conseguirá entregar com base naquilo que você tem guardado em você e sabe. Gosto bastante de usar essas analogias da vida, da natureza com questões da fotografia, pois facilita o entendimento e o aprendizado e reforça ainda mais a importância da fotografia.

Além de um clique, por Dennis Calçada.



09 Mar 2023

A cor passa a andar de mãos dadas com o preto e branco no meu trabalho fotográfico

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL

Tags

Alfred Stieglitz Ansel Adams arte autoral belas artes Edward Weston Expressão Fine Art fotografia história da fotografia natureza

Quem viu também curtiu

26 de Set de 2017

Uma prosa, uma dica e belas imagens

19 de Ago de 2017

Ela é tudo e um pouco mais

22 de Mar de 2018

Rascunhando com a luz

Olá, em que podemos ajudar? Sinta-se a vontade em me chamar no Whats.
Logo do Whatsapp