Além das quatro linhas

.

Sabemos que o futebol é uma paixão nacional. No entanto, mesmo o mais apaixonado dos torcedores não tem a exata dimensão sobre como é o dia a dia de um time de futebol. Ainda mais quando o cotidiano se refere ao de uma agremiação como o Santos Futebol Clube, conhecido e reverenciado mundialmente pelos seus feitos e conquistas. Além de ser o time do Rei do futebol, Pelé.


Desta forma é natural a curiosidade, não apenas do torcedor santista, mas no geral, para saber mais deste “outro mundo”, e é aí que entra em campo a série “Além das quatros linhas”. Nela fazemos uma tabelinha com algumas das várias ações que ocorrem diariamente até que a bola comece a rolar. Vista a camisa e entre em campo para conferir este clássico.


Na escalação deste time de imagens que compõem a série temos o Memorial das Conquistas, local dentro do estádio Urbano Caldeira, a Vila Belmiro, que é aberto para visitação e uma das principais trações turísticas da cidade de Santos.


Direto da fábrica, a confecção dos uniformes até o pré-jogo, já nos vestiários, para uso dos atletas. Encontro de craques e ex-jogadores que ocorrem com frequência em dias comuns pelos corredores da Vila. Bastidores na assinatura de contrato e autógrafos ao atender torcedores.


O saudoso e eterno ídolo Coutinho, principal companheiro de ataque de Pelé, concedendo entrevista para uma equipe de imprensa, assim como outros eternos ídolos como Mengálvio, Lima e Léo. Aliás, é bem grande o volume de solicitação de entrevistas com os ídolos do Clube.


Na arquibancada do estádio o making of em dia de produção de conteúdo para divulgação nos canais de comunicação do Clube. A movimentação e recepção da torcida na chegada do ônibus com os atletas para a disputa de mais uma decisão.


O famoso armário do Rei Pelé que segue mantido no vestiário da Vila Belmiro desde a sua última partida pelo Santos FC, no ano de 1974. A centenária e famosa Vila Belmiro e a sua magia que contagia quem a visita por tantos fatos e feitos que já presenciou e foi palco.


E por fim a visão do torcedor, já com a bola rolando. Como diz o hino. Um orgulho que nem todos podem ter.